Em todos os momentos da História, seja na Antiguidade, na Idade Média, ou no nosso tempo, são as mesmas paixões e os mesmos desígnios que inspiram os humanos. Entender a História é entender melhor a natureza humana.

03 novembro 2012

A Hora da Liberdade

ADOREI! SIMPLESMENTE, ADOREI!


A Hora da Liberdade foi uma ficção documental emitida pela SIC em 1999, a fim de comemorar o 25º aniversário da revolução. Em Abril passado, a Bizâncio editou o livro A Hora da Liberdade - O 25 de Abril, pelos protagonistas, da autoria de Joana Pontes (realizadora do filme), Rodrigo de Sousa e Castro e Aniceto Afonso, junto com o DVD.



Eu vi a versão completa no YouTube.

Tinha oito anos, quando se deu o 25 de Abril e, naquela altura, elogiou-se tanto o facto de se fazer uma revolução sem praticamente derramamento de sangue, elogiou-se tanto o civismo do povo português, que eu sempre pensei que tinha sido uma coisa mais ou menos fácil de levar a cabo. Pensei que bastara cercar o Quartel da GNR do Carmo, obrigando o Prof. Marcello Caetano a render-se... E pronto! Foi a ideia com que fiquei de criança. E, como nunca mais me ocupei do assunto, foi a ideia que permaneceu durante quase quarenta anos.

Agora, pela primeira vez, tomei contacto com toda a complexidade da operação, com todo o perigo que envolveu. E não estou a exagerar se disser que este foi um dos filmes de que mais gostei, em toda a minha vida. É pura "História ao vivo", serviço público ao melhor nível europeu, uma linda homenagem a todos aqueles que fizeram a revolução dos cravos. É impossível ser-se português e não se emocionar com A Hora da Liberdade! Os meus parabéns à realizadora, aos produtores, aos atores e a todos os que estiveram envolvidos!

Mais uma vez: o link do YouTube. Mas reservem tempo, dura quase três horas! Eu dividi em duas partes. E a velocidade a que passou o tempo é só comparável a quando escrevo ;-)

Deixo-vos com um excerto de dois minutos, mostrando o capitão Salgueiro Maia a falar às suas tropas, na Escola Prática de Cavalaria de Santarém:



Esta ficção documental devia ser conhecida no estrangeiro. O canal franco-alemão ARTE, de vez em quando, mostra filmes portugueses. Por acaso alguém sabe se este já por lá passou?


4 comentários:

Vespinha disse...

Também vi este documentário este ano na televisão, no dia 25 de abril. E também gostei muito e fiquei impressionada... como se conseguiu naquela época, com as fracas comunicações, concertar esforços para se conseguir a liberdade!

Cristina Torrão disse...

Sim, esse concertar de esforços também me surpreendeu (e encantou). É raro conseguir mobilizar tanta gente num único interesse.

CAL disse...

Não conhecia o documentário, adorei. Cumpri os dois últimos anos do serviço militar na EPC de Santarém – 69/71. Fortes lembranças revividas ao ver o filme. Emigrei 6 meses e meio antes do 25 de Abril. Obrigado Cristina pela oportunidade de conhecer detalhes da revolução. Estou levando para divulgar.

Cristina Torrão disse...

Ainda bem que gostou, CAL :)

E mais uma coincidência: o meu irmão fez a sua instrução base também na Escola Prática de Cavalaria de Santarém. Mas só dez anos depois do 25 de Abril. E, apesar de eu só lá ter estado para assistir ao seu juramento de bandeira, também me emocionei com a cena do documentário lá passada.